Conheça 9 atitudes para manter uma postura corporal adequada no trabalho

 

 

São cada vez mais comuns as profissões que exigem muitas horas de trabalho diário diante de um computador. Pode não parecer, mas a jornada de quem trabalha sentado o dia todo tende a ser extremamente cansativa não apenas para a mente, mas também para o corpo. 

 

Além do cansaço físico, esse tipo de rotina de trabalho pode causar problemas de saúde sérios. Obesidade, doenças cardiovasculares, lesões musculares, problemas na coluna e má circulação sanguínea são algumas das possíveis consequências. 

 

Muitos desses problemas podem ser evitados com atitudes simples, mas que fazem uma grande diferença a longo prazo. Algumas delas têm a ver com a postura certa para se sentar ao trabalho. Outras dizem respeito aos hábitos que devem ser adotados para diminuir os riscos. 

 

Conheça 9 atitudes simples para manter uma postura correta e evitar os malefícios do trabalho sentado: 

 

Postura

 

1 - Mantenha os pés no chão 

Durante o expediente, deixe seus pés bem apoiados no chão, com os joelhos a 90 graus. Regule a cadeira para uma altura que permita alcançar o piso sem esforço. 

 

2 - Afaste as pernas

Deixe uma perna afastada da outra e evite cruzá-las. 

 

3 - Puxe os ombros para trás

Todos tendemos a pender para a frente ao olhar a tela do computador. No entanto, o melhor é deixar os ombros firmes para trás. 

 

4 - Olhe para o meio do monitor

Posicione seu computador de modo que o meio do monitor esteja em uma linha reta em relação aos seus olhos. A ideia é trabalhar sempre olhando em direção ao horizonte, e nunca com o pescoço curvado. Além disso, o ideal é que o monitor esteja a uma distância de cerca de 70 cm dos olhos. 

 

5 - Mantenha os cotovelos junto ao corpo

Deixe seus cotovelos “colados" ao corpo, e antebraço, punhos e mãos em linha reta. 

 

Hábitos e atitudes

 

6 - Use equipamentos ergonômicos

Se você trabalha em casa, invista em equipamentos que favoreçam o bem estar corporal. Uma cadeira confortável e que ajude a manter a postura é fundamental, assim como uma mesa da altura certa. Teclados, mouses e tapete de mouse ergonômicos também podem ajudar. Caso você trabalhe em uma empresa em que os materiais não sejam adequados, vale a pena solicitar essas melhorias. 

 

O investimento refletirá em um ganho em saúde e qualidade de vida dos funcionários e pode resultar, por exemplo, em menos faltas ao trabalho. 

 

7 - Faça pausas periódicas

Evite passar todas as horas do expediente sentado. A cada duas horas de trabalho, recomenda-se ao menos 15 minutos de pausa. 

 

Esses momentos podem ser aproveitados para fazer uma caminhada, tomar um pouco d’água ou conversar com algum colega. O importante é movimentar o corpo. 

 

8 - Alongue-se

Procure se alongar todos os dias. Em muitas empresas, o alongamento faz parte da rotina de trabalho, com as pausas para a ginástica laboral. Esta é uma ótima prática, mas se sua empresa não oferece esse benefício, faça os alongamentos por conta própria. Seus músculos agradecem. 

 

9 - Pratique atividades físicas

Vale a pena dedicar algumas horas da semana para a prática de exercícios físicos. Eles ajudam a fortalecer a musculatura e combatem os malefícios da rotina de trabalho sentado. 

 

Essas simples mudanças de atitude podem ajudar a prevenir inúmeros problemas causados pela postura inadequada no trabalho. Dedique-se a adotar essas práticas e os resultados logo poderão ser observados.

Privacidade virtual: devo adicionar colegas de trabalho nas redes sociais?

 

 

A privacidade nas redes sociais é um assunto cada vez mais presente nas discussões sobre as tendências das relações pessoais na nossa sociedade. O tema ganha contornos ainda mais controversos quando envolve também a vida profissional. 

 

A maioria das pessoas já teve a dúvida: adiciono ou não o meu colega de trabalho nas redes sociais? Manter contato com quem trabalha conosco pode ser interessante, mas nem sempre queremos expor o que fazemos em nossas vidas pessoais, fora do ambiente de trabalho. 

 

Um momento descontraído no fim de semana, uma viagem de férias, uma festa em que tomamos algumas cervejas a mais… Muitos momentos são privados, e podemos não querer dividi-los com nossas equipes de trabalho. 

 

O mesmo vale para nossas opiniões sobre política, futebol ou outros assuntos que podem facilmente levantar polêmicas. Às vezes, queremos dividir uma opinião com nossos amigos e familiares, mas não com um chefe, por exemplo. Isso é natural. 

 

Mas então como proceder, se hoje em dia parece que estamos expostos a quem quiser ver? 

 

Um bom começo é diferenciar as redes sociais voltadas para o networking, como o LinkedIn, daquelas que não têm essa finalidade, como o Instagram e o Facebook. 

 

No LinkedIn, pode-se e deve-se adicionar qualquer pessoa da empresa. Vale destacar que o que se compartilha nesta rede deve ser estritamente relacionado com o trabalho. Nada de postar fotos do happy hour

 

O LinkedIn pode inclusive alavancar sua imagem dentro da empresa. Postar artigos interessantes sobre sua área de trabalho é uma boa forma de demonstrar interesse e conhecimento. Este é apenas um exemplo de como esta rede social pode ser usada positivamente. 

 

Quanto às outras redes sociais, a questão é mais delicada. Um bom conselho é nunca postar ou compartilhar nada que possa ser mal visto no ambiente profissional. Por mais que você não envie nenhuma solicitação de amizade para colegas ou superiores, eles podem tomar a atitude de fazer tal convite, e negá-lo pode gerar uma situação constrangedora. 

 

Além disso, mesmo que você não tenha ninguém da empresa na sua lista de contatos no Facebook, alguém pode ter um amigo em comum com você, e ter acesso indiretamente ao que você está compartilhando na rede. 

 

O importante é perceber que, nos dias atuais, a vida pessoal é inseparável da vida profissional. Ainda que não pareça, somos observados em todas as atitudes que tomamos no ambiente virtual, e uma postagem inadequada pode acabar com os nossos planos de crescimento na empresa ou mesmo minar uma oportunidade de trabalho interessante em uma nova organização. 

 

Recrutadores de empresas costumam averiguar o tipo de conteúdo postado por potenciais colaboradores nas redes, e esse pode ser um critério eliminatório, dependendo do teor das postagens. 

 

Por isso, o cuidado com o que se diz e mostra nas redes sociais deve ser constante, independente de ter ou não colegas e superiores entre os amigos. 

 

O outro lado também deve ser destacado. Se você ocupa um cargo de gestão, ou tem colaboradores subordinados a você na empresa, evite fazer com que eles se sintam observados em suas redes sociais pessoais. Não adicione seus funcionários no Facebook, espere que eles te adicionem. 

 

Vale também prestar atenção à sua atitude em relação ao que eles postam nas redes sociais. Uma foto na praia não demonstra mais ou menos dedicação ao trabalho do que uma foto com roupa social no escritório. O que as pessoas fazem em seu tempo livre pouco ou nada diz sobre sua capacidade como profissionais. 

 

Em resumo, mais do que uma questão sobre adicionar ou não colegas nas redes sociais, trata-se de um cuidado constante com a sua imagem profissional em todos os âmbitos. O ambiente virtual já não pode ser separado da “vida real”, e cada vez mais temos de estar atentos a isto.

A inovação pode prevalecer em uma organização conservadora?

 

 

A inovação é uma palavra que está presente nas declarações de valores institucionais de quase todas as empresas na atualidade. Na prática, entretanto, nem sempre as organizações criam um ambiente propício para que o pensamento inovador saia do papel. 

 

É comum que empresas que adotam a inovação como slogan nos discursos de seus gestores imponham barreiras para ideias novas no cotidiano. Por isso, mudanças que poderiam modernizar o modelo de negócios, reduzir custos operacionais, aumentar a produtividade ou reduzir etapas nos processos esbarram no conservadorismo da organização ou de seus executivos. 

 

O fato é que a inovação requer uma cultura organizacional favorável, em que os riscos sejam estimulados e eventuais erros sejam encarados como parte do processo. Nenhuma ideia revolucionária tem resultados previsíveis, e o modelo tradicional acaba prevalecendo. 

 

Um cenário recorrente em diversas empresas é aquele em que o gestor de uma área procura inovar em seu departamento, promovendo treinamentos, contratando palestrantes, investindo em novos softwarese tecnologias e diversificando seu quadro de colaboradores. Quando a mudança precisa avançar para outros setores, é interrompida por algum superior menos ousado, ou mais pressionado por resultados imediatos. 

 

As justificativas são muitas: “a aplicação é muito complexa”, “nosso mercado não está preparado”, “a concorrência não faz assim”, “nossos clientes gostam do jeito que está”. 

 

Por isso, profissionais intraempreendedores, que gostam de aplicar novas ideias e conceitos em seus processos, podem até conseguir algumas conquistas dentro de uma empresa assim, mas o mais provável é que as práticas tradicionais sejam mantidas. 

 

Mas então quais são as alternativas para quem quer inovar em uma organização conservadora? 

 

O primeiro passo pode ser tentar mudar a mentalidade de diretores e outros tomadores de decisões. Sem a concordância deles, nenhuma mudança acontece. Este convencimento deve ser feito com paciência e inteligência, e não tem resultados do dia para a noite. O pensamento conservador é resistente. 

 

Procure mostrar a eles os benefícios que a inovação pode trazer em termos de custos, produtividade, ganhos competitivos, efetividade de processos etc. Também vale apresentar casesbem sucedidos em outras companhias, e como eles podem servir de exemplo para a sua empresa. 

 

Em resumo, procure deixar claro que a inovação hoje não é apenas um diferencial para uma empresa, mas um requisito para um crescimento que se sustente ao longo do tempo. 

 

Outra medida é adotar uma atitude inovadora dentro de seu departamento ou área de influência. De nada adianta esperar uma postura arrojada de diretores se, dentro do seu ambiente, colaboradores não forem estimulados a correrem riscos controlados e desenvolverem novas maneiras de trabalhar.

 

Por fim, é preciso saber o limite de cada empresa. Uma organização tradicional dificilmente muda suas práticas a ponto de fazer com que a inovação seja um ponto central de sua competitividade. 

 

Se este for o caso da sua empresa e o pensamento inovador for importante para sua carreira, pode ser o momento de procurar outro lugar para trabalhar.

 

Comemorações na empresa: um investimento na motivação da equipe

 

Em muitas empresas brasileiras, as comemorações por metas e resultados alcançados se limitam às festas de final de ano. Vale a pena, no entanto, tornar mais frequentes as ocasiões para celebrar o desempenho positivo de uma organização.

 

Uma boa periodicidade para realizar este tipo de evento comemorativo é a cada três meses, por exemplo. Isso é tempo suficiente para medir a performance, corrigir o que está errado, pensar o que se deve mudar e, claro, comemorar o que tem dado certo.

 

A falta de verba para levar a equipe inteira a um hotel no interior ou realizar uma festa em um grande buffet não precisam servir de desculpa para que nada seja feito. Um simples lanche no escritório ou um happy hour no bar ao lado podem fazer as vezes de confraternização empresarial.

 

As comemorações são boas para reconhecer o trabalho da equipe e manter a motivação alta. Está mais do que provado que colaboradores que têm seu desempenho apreciado publicamente têm mais engajamento com a organização.

 

Além disso, esse tipo de evento é uma ótima maneira de promover a integração entre os membros da equipe. Novos colaboradores, por exemplo, costumam sair mais enturmados deste tipo de comemoração.

 

Vale lembrar que as celebrações não precisam ser apenas em relação aos resultados da empresa. Datas como Dia das Mães, Dia dos Pais, Páscoa e Natal podem ser bons pretextos para uma confraternização entre colegas.

 

Os aniversários dos colaboradores também podem ser lembrados com um bolo ao fim ou ao começo do expediente. Nada que tire o foco do trabalho que precisa ser feito, mas uma quebra na rotina que pode ser positiva para o bom ambiente de trabalho.

 

Outro clássico é o coffee break entre palestras e atividades que fogem ao cotidiano empresarial. Esta é uma opção barata e agradável, que serve de pretexto para que as pessoas conversem, se conheçam melhor e voltem mais motivadas ao trabalho.

 

Em suma, as comemorações devem ser vistas como um investimento, e não um gasto na empresa. Colaboradores satisfeitos com o ambiente de trabalho rendem mais e tendem a ficar mais tempo na organização.

 

Cabe uma ressalva: evite promover comemorações que contemplem apenas um setor, deixando os outros de lado. A equipe de vendas pode ter tido um excelente desempenho, e os resultados de outras áreas podem não ser tão facilmente mensuráveis.

 

Entretanto, cada departamento tem sua importância na empresa e deve ser lembrado também na hora de reconhecer o que se atingiu.

 

Afinal, quem produz os resultados são as pessoas. Comemore com elas o que tem sido feito.

Resiliência é importante, mas não pode ser confundida com teimosia

 

Nos últimos anos, têm pipocado pela internet listas das características profissionais mais valorizadas pelas empresas. Nesses rankings, um termo é recorrente: resiliência.

 

O mesmo vale para as dicas voltadas a quem deseja prosperar em seu próprio negócio. "O empreendedor de sucesso é o resiliente", dizem os especialistas.

 

A resiliência é, portanto, uma das palavras da moda no mundo corporativo. Apesar disso, o significado deste conceito é muitas vezes mal interpretado, e esta confusão pode trazer consequências negativas.

 

Vale a pena entendermos a origem da ideia, para que possamos pensar em como aplicá-la na vivência profissional. Resiliência é um conceito vindo da física, que diz respeito à propriedade que alguns materiais têm de voltarem a seu estado normal após serem tensionados.

 

Um exemplo comum nas aulas de física é o da vara de salto em altura, que se verga sem romper e volta à sua condição anterior, impulsionando o atleta para cima.

 

Posteriormente, a palavra foi adotada pela psicologia, e caracteriza a capacidade que cada indivíduo tem para lidar com problemas, pressões, situações adversas ou traumas, sem desestabilizar-se emocional ou psicologicamente.

 

É da psicologia que vem o conceito que se aplica ao mundo dos negócios. O profissional resiliente é aquele que suporta as pressões e mantém a calma, insistindo em seus objetivos até que o resultado aconteça. Por isso, o foco costuma estar justamente na persistência, ainda que as primeiras tentativas falhem.

 

É impossível negar que esta é uma característica importante para quem deseja crescer na carreira ou empreender com sucesso. Afinal, quase nunca conseguimos o que queremos logo no começo de nossas empreitadas. É necessário entender que uma semana ruim não significa o fim de uma carreira ou de um negócio.

 

Resiliência ou teimosia?

No entanto, como diferenciar a resiliência em tempos difíceis da teimosia diante de maus resultados? O que indica que estamos indo no caminho certo, e não repetindo os mesmos erros inúmeras vezes?

 

Uma das chaves para compreender a diferença entre a resiliência e a teimosia é a flexibilidade. O profissional resiliente é flexível, se adapta ao contexto e sabe modificar suas estratégias diante de resultados negativos, ainda que os objetivos não se alterem.

 

Já o teimoso, também conhecido como cabeça dura, insiste no mesmo tipo de atuação mesmo quando todas as evidências mostram que esse caminho não está dando certo. Profissionais teimosos costumam acreditar tanto no que estão fazendo que acham que o mundo é que deve se adaptar às suas ideias, e não o contrário.

 

É desnecessário dizer qual dos dois obtém melhores resultados em suas trajetórias.

 

O resiliente sabe ouvir críticas

Outro ponto importante aqui é a capacidade de aceitar críticas e feedback. Pessoas resilientes persistem em seus objetivos, mas sabem escutar os outros. É também a partir das sugestões de parceiros e colegas que elas procuram entender o que vem dando errado e o que deve ser mantido.

 

A resistência diante das dificuldades, aliada à capacidade de aceitar e considerar outras opiniões, é uma arma poderosa para qualquer profissional.

 

Por outro lado, aquele que insiste nas mesmas ideias e se fecha para o que os outros têm a dizer está fadado ao fracasso. Em muitas situações, é necessário enxergar o problema de diferentes ângulos para poder solucioná-lo. 

 

Por fim, cabe dizer que o resiliente é também um otimista. Apesar das dificuldades e adversidades, ele mantém o pensamento positivo e a confiança no trabalho dedicado e bem feito.